quarta-feira, 30 de junho de 2010

Das vezes que eu preciso me cuidar

oh, criança que me dá trabalho

Voce sabe que eu jamais morreria de saudade
mas, do jeito que "a coisa vida" anda
estou pra morrer, ou, com sorte, perder o chão
então, meu amor, esqueça o bill
e me apareça outro pouco de tempo, vem, Dny

ps., faz tempo que meus inimigos
já não são mais as drogas;
agora são piores

11 comentários:

Luciano Fraga disse...

Caro amigo Devir, atualizei leitura, devo os coments."Vida, minha adolescente companheira, a vertigem e o abismo me atraem", abraço.

Devir disse...

Adolescente, vertigem e abismo, meu caro, Luciano Fraga, são substâncias realmente cara para nós.
Jamais minto, pelo menos quando estou consciente (com ciência) do processo deste rio, às vezes cristalino, mas também outras caudaloso, logo após inundações inevitáveis do real demasiadamente real, em nossas vidas tão inadjetiváveis, então, repetindo, jamais minto, escrevi este post/recado para alguém também muitíssima cara para mim, e já sabia, portanto, que tão certo também lhe tocaria, como a uma notícia de que estou necessariamente precisando de ombros verdadeiramente amigos(as).
É muito bom quando atendemos nossas invioláveis entidades épicas. Aquelas confusas e destemidas potências que não se envolvem na rss e não desce ralo abaixo.

É isso aí, arroga-se a mostrar o que voce tem de melhor, porque as pequenas vilanias se nutrem exatamente da fraqueza, apenas justificável (se) quando anfitriã, na medida exata deste TERMO SAGRADO.

Forte abraço

Valéria Sorohan disse...

Que delícia de versos lúdicos. Tô num momento tão pedra que queria renascer em flor...

BeijooO*

Devir disse...

Valéria, que ótimo

Agora a pouco dizia para minha tia de Marília, SP, que está aqui no apoio, o quanto nos batemos com forças tão indulgentes, mas no entanto, tão necessárias para continuar e continuar, sempre, sem se deter jamais, mesmo que corpo e alma "sangrando".
Se pá, podemos tomar um café no Franz, enfrente a Igreja, no sábado, e atenção, por ser muito "feeinho", só para conversar, e algomais, rss, rir, por exemplo.

Por enquanto, para derreter esta pedra, procure o poema A flor e a Náusea, do Drummond, e sinta um 'peguei' interessante. Responda-me, ok

Beijo

Devir disse...

Ah, se preferir sonhar, ouça esta música Love on the beat, do Serge Gainsbourg, e depois coloque um comentário no post anterior, onde desmascaro a divina inveja de cada dia, rss.

ps., se estiver sozinha, dance tb, mas, se tiver acompanhada, deixa quieto

Isis disse...

Dizia minha avó que saudade é a pior das dores no mundo. Sabia anciã.
Quanto a morrer, peço que deixe o "Mal do século" no passado e não se deixe contagiar com esse "virus Byroniano", rs.
E acalme-se, perder o chão não é o fim do mundo, pode apenas resultar em uma queda dolorida ou falta de sintonia momentânea. E ai? O que achou do siagnótico? Rs.


http://www.youtube.com/watch?v=nT5F1lOt1jI&feature=related

acho que vai gostar...

Ah Devir, como invejo a tua "Marilia".

Beijo

Devir disse...

Que comentário lindo e repleto de sentidos com todos os tempos possíveis, ou eficientes para qualquer sentido que me phode a vida, rss

e ainda tocado pela tristeza do seu comentário, lá embaixo, e já sorrindo

que tesão, Isis
é como parar uma aula de xadrez
para
depois fumar um cigarro
ouvir músicas
vídeos
depois
então voltar a aula
e assim eter
felicidade

Byron, jamais, fui vacinado
muito antes da juventude

E vou ver ouvir, claro

Minha vida é um universo
com zilhões de galáxias
culhões de estrelas e planetas
dois pés na Terra
atento aos continentes
olhando todos os países
sofrendo ao Brasil
vivendo cidades
que são próximas distantes
próximas poesias
distantes realidades
de nadas e tudos
que não são para causar inveja
por favor

não me zangue
um dois tres quatro sentimentos imediatos
e voce 'não agora'
não é saudável, rss

vê, comigo não há ambiguidade...
nunca usei as infinitas flechinhas
que recebo a cada respirar
selvagem

Beijo

Zana Sampaio disse...

piores são as drogas, piores são os inimigos... a morte e a saudade percorrendo todos os preceitos.

bravo Devir,
tava com saudade de passar por aqui!

Zana Sampaio disse...

são piores os inimigos...são piores as drogas...

e o teu verso na tênue linha da sanidade.
aiai... tava com saudade de passar por aqui.
forte abraço, moço!

Devir disse...

SEja bem vinda, Zana

Ao que o mundo nos obriga, se recusamos, mortalmente ele se duplica; é o mesmo da infeliz atitude da cria que se põe contra o criador.
A insanidade é continuar acreditando que podemos conquistar tal separação.
Mas quando esta é a regra, e a regra se faz portanto necessária, o círculo vicioso impera.
Tem que haver mesmo tal complexo de Pandora?
Zana, faça suas as palavras do último parágrafo que escrevi para o Luciano no comentário ainda nesta página, e um forte abraço.

Devir disse...

Isis, meu único amor dito pelo não dito, que tão logo isso se finda, como a planta ao vaso tem seus dias contados, ou suas raizes vão a terra ou só ficará saudade.

Todo ato - não tentem somente os sensatos -
há de maltratar a lógica, sempre
e - Drummond vivo na carne
- meu romantismo tão somente traje
corrobora nossa ansiedade -
o mundo criança ainda faz bolinha
e leva à boca - por que não morrer?
perguntava-me o sábio, e eu, o tolo
respondia - jamais ignoro tudo aquilo que não sou - com respeito
a vida salva.

Te